• EN
  • LinkedIn
  • Facebook
Você está em: Início > O papel das universidades e politécnicos no desenvolvimento das regiões, por Professora Doutora Liliana Pereira

O papel das universidades e politécnicos no desenvolvimento das regiões, por Professora Doutora Liliana Pereira

Artigo de Opinião publicado no semanário Vida Económica

É indubitável o papel transformador que a Educação tem na sociedade, nomeadamente o papel que as "universidades e politécnicos" desempenham nas regiões onde estão inseridas.
As sociedades modernas exigem cada vez mais que as pessoas estejam informadas sobre a realidade onde vivem e trabalham e onde podem vir a ser convidados a participar como cidadãos e como profissionais. Pessoas desinformadas não participam e sem participação não há desenvolvimento.
O maior ativo de qualquer sociedade é o conhecimento e é nas "universidades e politécnicos" que este é desenvolvido e promovido. Hoje já não se instrói, hoje educa-se, e esta mudança de paradigma resulta em cidadãos mais críticos, mais criativos mas acima de tudo mais participativos.
Os nossos campus estão também eles próprios em revolução. A par do ensino e investigação, o desenvolvimento económico e social faz agora parte integrante da sua missão, o que está a promover uma transformação das regiões onde estão inseridas. Este casamento entre conhecimento formal e a comunidade sustenta a visão de que todos podemos ser os protagonistas duma mudança que se pensa, que se executa e que se materializa em alternativas diversificadas de ação no plano regional.
As indústrias produzem soluções a curto e médio prazo mas as "universidades e politécnicos" prevêem e solucionam os problemas do futuro. Este ambiente fomenta nos jovens a criação e invenção de novas ideias, oportunidades, equipamentos, fazendo com que as suas regiões evoluam e deixem de estar numa relação de dependência de conhecimentos e tecnologia trazidos por outros e, grande parte das vezes, já ultrapassados.
E é este o novo desafio que se coloca à universidades e politécnicos: preparar as suas regiões para o futuro, educar para a criatividade, educar para a excelência, educar para uma reflexão crítica. Mas mais importante, educar para que cada um seja protagonista dum desenvolvimento sustentado sua região.