• EN
  • LinkedIn
  • Facebook
Você está em: Início > UM BOM EXEMPLO NOS (DES)CAMINHOS DA EUROPA, por Professor Joel Cleto

UM BOM EXEMPLO NOS (DES)CAMINHOS DA EUROPA, por Professor Joel Cleto

Artigo de Opinião publicado no semanário Vida Económica

Escrevo estas linhas a poucos dias das eleições para o Parlamento Europeu. A poucos dias de umas eleições que se revestem de extrema importância para um continente onde vêm emergindo ideias e posicionamentos que, bem mais do que populistas, são perigosamente nacionalistas, isolacionistas, quando não mesmo xenófobos e racistas. Ideias que colocam em perigo o projeto europeu que vem sendo edificado nas últimas décadas, de uma Europa pacifista e de progresso assente no respeito e na valorização da diversidade dos seus povos e culturas. Uma Europa solidária, de acolhimento e inclusão, herdeira da sua tradição cristã, mas também dos ideais de liberdade e de solidariedade das revoluções francesa e liberais. Mas, quando pensávamos que algumas práticas e pensamentos estavam ¿esquecidos¿ desde os finais da 2ª Guerra Mundial, ei-los que ressurgem. Porque, como nos lembrava o filósofo, quem se esquece da História está perigosamente condenado a repeti-la.
E é, também por isso, que os Caminhos de Santiago são, hoje, tão importantes. Espaço de livre circulação de pessoas e do pensamento, o Caminho constituiu-se, desde o século IX, como uma das primeiras e efectivas ferramentas na construção de uma identidade comum europeia. E por isso mesmo foi classificado pelo Conselho da Europa, em 1987, como primeiro Itinerário Cultural Europeu, e também a UNESCO, em 1993 e 1998, classificou importantes troços do seu trajecto como Património da Humanidade.
A suposta (re)descoberta em 813 do túmulo do apóstolo Tiago na localidade galega de Compostela irá, a partir daí, convocar os católicos de toda a Europa para este extremo do Velho Continente, convertendo-o num dos lugares de maior importância para a cristandade, criando uma vasta rede de vias de peregrinação: os Caminhos de Santiago. Itinerários do sagrado, junto aos quais se foram multiplicando ao longo dos séculos estruturas de apoio de todo o tipo (mosteiros, conventos, albergues, pontes, hospitais, cruzeiros¿), para lá de veículos de propagação religiosa eles foram também privilegiados meios de difusão de manifestações culturais. Por eles se foi disseminando o românico e depois novas arquiteturas como o gótico. Através deles se difundiram igualmente novas formas de fazer e cantar a poesia e a música, novas formas de expressão artística, outras ideias e ideais¿ Um percurso do sagrado prenhe da constante presença do profano.
Da relevante importância que desde cedo o Caminho assume, já em 1293 nos dá conta Dante ao distinguir aqueles que já eram então os três grandes destinos de peregrinação cristã. O poeta italiano escreverá que, se os que se dirigem para Roma são os ¿romeiros¿ e os que visitam os lugares santos em Jerusalém e na Palestina são os ¿palmeiros¿, os ¿peregrinos¿ são aqueles que rumam para ou de Compostela.
Hoje sabemos que a ¿lenda¿ de Santiago é uma narrativa que se enquadra no processo da expansão territorial da elite guerreira e senhorial asturiana, que se servirá de diversos mitos para alicerçar e legitimar uma ¿reconquista¿ cristã. Independentemente destes factos Compostela converteu-se, ao longo dos últimos mil anos, num incontornável pólo de irradiação de fé e num dos mais relevantes focos congregadores da cristandade. Hoje o Caminho continua a ser percorrido por um grande número que o faz por devoção católica, mas não é menos verdade que se converteu também num espaço ecuménico repleto de espiritualidade e onde muitos também o trilham pelo seu relevante interesse histórico, artístico e cultural. Um caminho que, nestes últimos 20 anos, vem registando um número crescente e surpreendente de ¿caminheiros¿. Onde o espírito de solidariedade, de interajuda, de respeito mútuo e de aceitação e convívio salutar com a diferença são uma das suas grandes marcas distintivas. Um Caminho que pode e deve ser um exemplo para esta Europa algo desorientada dos nossos dias.