• EN
  • LinkedIn
  • Facebook
Você está em: Início > Os novos desafios na educação, por Professora Susana Mesquita

Os novos desafios na educação, por Professora Susana Mesquita

Artigo de Opinião publicado no semanário Vida Económica

Como docente, a evolução e as alterações ocorridas nos últimos anos na sociedade, fruto essencialmente dos avanços tecnológicos, levam-me a refletir acerca de novas estratégias pedagógicas no processo de ensino e aprendizagens.
É imprescindível estimular o potencial do aluno de forma a aumentar a inclusão social. Para isso, destaco a importância da educação na aceitação da diversidade do aluno de forma a assegurar a sua participação na construção da sociedade. Cada aluno é único e encontra-se permanentemente em transformação.
A necessidade de enfrentar novos saberes levam a que os professores enfrentem um enorme desafio... Como se adaptar a esta constante evolução?
Apreendemos o que é relevante, esquecemos o que consideramos supérfluo.
O que nos chega pela via sensorial e experiencial leva à formação da memória. O sucesso do ensino passa, entre outros aspetos, pelas aprendizagens potenciadas através das experiências e personalização de conhecimentos. Muitas podem ser as iniciativas que permitam a este público fruir de novas estratégias de aprendizagens, como, por exemplo, aulas em que se valorizem experiências táteis, auditivas, gustativas e visuais e que incentivem o movimento como forma de provocar novos estímulos.
As escolas, locais de cultura por excelência, devem estar conscientes da necessidade de se inovar. Num ambiente de elevada competitividade, a vantagem das experiências e da personalização baseia-se, no facto de estas serem singulares e, por isso, muito difíceis de copiar pela concorrência. Todas as experiências são pessoais, algumas com maior ou menor caráter social e cultural, estando relacionadas com a descoberta, aventura e novas iniciativas. O aspeto comum a estas experiências é o facto de terem um grande impacto emocional, uma vez que estão relacionadas com o abdicar de velhos padrões, o descobrir de novas fronteiras e novas direções.
Num contexto competitivo como o atual, existe necessidade de evoluir para um novo paradigma, que se preocupe com as emoções e sentimentos dos alunos e não apenas em ensinar conceitos teóricos abstratos.
Cabe assim ao docente procurar conhecer as necessidades dos alunos; proporcionar, através da sua experiência e da interação, emoções positivas e incentivá-los a participarem ativamente e a envolverem-se.
A educação leva a uma transformação do indivíduo produzindo um pensamento crítico e consciente. Os alunos necessitam assim de sentir confiança para expressarem livremente as suas opiniões de forma crítica, através das atividades práticas que se realizam a partir da teoria. Assim, nada deve ser ensinado de forma dogmática, devemos dar lugar à argumentação e à dúvida. Os alunos devem identificar-se com os conhecimentos transmitidos, nomeadamente através da prática. Uma aula desvinculada da prática representa um conhecimento inútil, pois dificilmente o aluno consegue fazer a ligação com a experiência de vida.
A transversalidade dos conhecimentos baseados na experiência são assim uma estratégia para o sucesso na educação das novas gerações, constantemente sujeitas a estímulos sensoriais. Num mundo em constante mutação é meritório repensar novas formas de motivar e estimular os nossos alunos, sendo que necessitamos de reunir as condições ideais para potenciar estas estratégias.